O ensino de idiomas para adultos exige uma atenção diferenciada por parte dos professores. Nós educadores precisamos entender que os motivos pelos quais essas pessoas estão investindo seu tempo, dinheiro e sua dedicação são bem diferentes de quando eram crianças.

Partindo do pressuposto de que adultos não aprendem como crianças, a educação para adultos não deve ser baseada nos princípios pedagógicos e sim nos pilares andragógicos onde o adulto é o sujeito da educação e não meramente o objeto dela. Os adultos respondem muito bem ao ensino quando fatores motivacionais entram em cena, como por exemplo, a satisfação, qualidade de vida, autoestima e afins. Além disso, é imprescindível levar em conta que os adultos possuem experiências prévias e justamente essas experiências serão a base de seu aprendizado.

Lindeman identificou, pelo menos, cinco pressupostos-chave para a educação de adultos e que mais tarde transformaram-se em suporte de pesquisas. Hoje eles fazem parte dos fundamentos da moderna teoria de aprendizagem de adultos:

  1. Adultos são motivados a aprender à medida em que experimentam que suas necessidades e interesses serão satisfeitos. Por isto estes são os pontos mais apropriados para se iniciar a organização de suas atividades de aprendizagem.
  2. A orientação de aprendizagem do adulto está centrada na vida e não disciplinas.
  3. A experiência é a mais rica fonte para o adulto aprender; por isto, o centro da metodologia da educação do adulto é a análise das experiências.
  4. Adultos têm uma profunda necessidade de serem autodirigidos; por isto, o papel do professor é engajar-se no processo de mútua investigação com os alunos e não apenas transmitir-lhes seu conhecimento e depois avaliá-los.
  5. As diferenças individuais entre pessoas cresce com a idade; por isto, a educação de adultos deve considerar as diferenças de estilo, tempo, lugar e ritmo de aprendizagem.

Assim, a Andragogia propõe autonomia, colaboração e a autogestão da aprendizagem, atributos importantíssimos para quem deseja crescer profissionalmente. A Andragogia deve trazer um aprendizado aplicável, claro e relevante. A teoria não é suficiente nesse sentido, pois o conhecimento do aluno é tão importante quanto o conhecimento do professor/instrutor. Sendo assim, entram em sala as experiências de vida, os valores pessoais e as habilidades profissionais. Ficam do lado de fora a inflexibilidade, as respostas prontas e as metodologias ultrapassadas.

Nos centros de idiomas, é comum observar salas heterogêneas quanto à idade dos alunos. Por esse motivo os professores precisam ponderar quais métodos e técnicas são mais eficazes na obtenção de seus objetivos tendo em vista o variado conjunto de alunos.

 

Referência

Lindeman, Eduard C. THE MEANING OF ADULT EDUCATION. New York, New Republic, 1926