Existe uma necessidade de se produzir conhecimento acerca das consequências de se crescer bilíngue para o desenvolvimento das crianças. Tais estudos vêm sendo realizados há décadas em outros países e estudiosos em psicologia do desenvolvimento, linguística e educação na primeira infância continuam a apresentar teorias concorrentes e divergentes em relação ao ensino bilíngue na educação infantil. O bilíngue está num continuum de aprendizagem da segunda língua, sendo um perfeito conhecedor dela mas não necessariamente fluente nas duas. Seja qual for o grau de proficiência, o bilinguismo pode ser uma parte positiva e enriquecedora da vida de todos os indivíduos envolvidos.

Créditos: Image credits: Andrzej Michalik, imgarcade.com

 

Ao ser exposta a dois idiomas a criança é estimulada a compreender o funcionamento de ambas as línguas como ferramenta social, suas especificidades e características, e logo tem contato com o biletramento. O biletramento está associado ao desenvolvimento de habilidades relacionadas à função social de dois idiomas e com o enriquecimento proporcionado com a ampliação do repertório cultural, social e acadêmico.

O benefício do bilinguismo vai além da fluência em duas línguas. As pesquisas mostram que o bilinguismo age sobre o desenvolvimento global da criança, o que impacta muito no seu futuro. Crianças expostas a mais de uma língua se tornam mais atentas a diferenças culturais, a pessoas e a pontos de vista. Tendem a se focar mais em tarefas e a desenvolver mais a atenção,  comparados com crianças monolíngues. Tendem a ler precocemente e geralmente tem facilidade em aprender outras línguas.

Somente por meio de uma compreensão mais ampla sobre o desenvolvimento do bilinguismo, de suas relações com o desenvolvimento cognitivo e também das condições sociais, econômicas, históricas e psicológicas que envolvem a questão, ocorrerá a desmistificação da educação bilíngue, esclarecendo assim, as diversas possibilidades existentes e suas possíveis consequências.

 

Referências

MILROY, L.; MUYSKEN, P. – One speaker, two languages. Cambridge. Cambrigde University Press p. 2-7, 1995.

DUFOUR, R.;  KROLL, J.F. Matching words to concepts in two languages: A test of the concept mediation model of bilingual representation. Memory and Cognition, 23 (2), 166-180 1995.