O que você diria a um professor novato

 

A primeira reunião de professores do ano é sempre recheada de novas metas, apresentação de novas estratégias da escola/franquia e introdução a possíveis novos colegas pedagógicos, administrativos e/ou comerciais.

É aquele momento que começa bem descontraído, com os professores compartilhando o que fizeram nas férias, e que pode acabar com um clima mais tenso, com alguns profissionais preocupados sobre as novas e aparentemente inalcançáveis metas propostas pela direção e coordenação.

Ah, sim! E alguns reclamando que “já estão aqui há tanto tempo e essas novas medidas nunca deram certo”.

Há algum tempo atrás um grupo de coaches que participo fez uma tarefa muito interessante, chamada “letter to myself”, que consistia em escrever uma carta para mim mesmo, a ser lida 12 meses depois de escrita.

Essa atividade funcionava da seguinte forma: cada um dos membros da equipe escrevia em seu próprio papel o que gostaria de estar fazendo depois de 12 meses. Onde pretende estar, o que planeja fazer e com quem pretende dividir tudo isso. Quais resultados terá obtido e quais atividades terá iniciado e terminado?

Após escritas, as cartas deveriam ser colocadas dentro de um envelope endereçado à própria pessoa e entregues aos cuidados do líder em questão que por sua vez os guardava e enviava por correio 12 meses depois, a cada membro da equipe.

Nem preciso dizer o quanto fiquei surpreso quando recebi a minha própria carta em casa, 1 ano depois.

Confesso que não me lembrava de tê-la escrito!

E mais: confesso que não me lembrava o que eu mesmo havia escrito… o.O’

Algumas pretensões se realizaram, outras não… Mas o mais interessante foi a reflexão que tive sobre como a vida toma rumos que não podemos prever, como a nossa mentalidade pode mudar ao decorrer de 12 meses e, principalmente, como eu não me esforcei como deveria e por isso não tive os resultados que havia almejado há 1 ano atrás.

Deixo aqui a mesma sugestão para os coordenadores pedagógicos: como atividade de início de ano, peça a seus professores que escrevam uma carta, em papel, respondendo as seguintes perguntas:

  1. Como você se sente começando o ano letivo?
  2. O que te motiva a ser professor hoje e a começar esse ano?
  3. Para quem você acha que suas aulas são importantes e que importância é essa?
  4. Quais foram as 3 maiores lições de vida que você teve no ano passado graças às suas aulas?
  5. O que você diria para um jovem professor novato que começará a sua primeira aula da carreira hoje?

Essas perguntas são exemplos de como o coordenador pode guiar a atividade com os professores, porém há muitas outras perguntas que podem ser incorporadas aqui para deixar a atividade ainda mais reflexiva, profunda e motivacional.

As perguntas servem apenas de inspiração para as respostas e não devem ser respondidas separadamente, mas sim montando um único texto corrido coerente.

Idealmente, deverão haver envelopes à disposição e cada professor deverá lacrar o seu próprio envelope, colocando seu nome na parte externa para identificação.

Deverá haver confiança entre a equipe de professores e o coordenador pois este não poderá, sob nenhuma hipótese, abrir os envelopes ou ler as cartas escritas pelos profissionais.

Ao final do período de 12 meses (ou algum outro período maior, caso julguem interessante) o coordenador tem a responsabilidade de devolver todas as cartas a seus respectivos donos, estando eles ou não ainda trabalhando na escola. Este é um dever baseado em princípios de palavra e honra (não de salário ou contrato de trabalho) e deve ser cumprido acima de qualquer situação que por ventura tenha ocorrido durante o período.

Finalizo este texto com dois pedidos:

  1. Comente abaixo outras perguntas que você acredita serem interessantes para adicionar nesta atividade.
  2. Tire fotos dos professores enquanto estão fazendo a atividade, dos envelopes preenchidos e, 12 meses depois, dos mesmos professores recebendo, cada um, sua própria carta novamente. Leia em grupo e procure promover uma reflexão sobre o quão satisfeito cada um está com a vida que levou e o que faltou para conquistar ainda mais. Cole as fotos em um mural na escola e se possível me envie a foto do mural pronto, no endereço contato@diamantinocoaching.com.br .

Assista a esse curto vídeo promovido pela SoulPancake e Edutopia mostrando um experimento bem parecido:

Para finalizar, de coração, não perca a oportunidade de fazer e ser a diferença entre seus liderados.

Como diria Simon Sinek: “if you get the environment right, every single one of us has the capacity to do these remarkable things, and more importantly, others have that capacity too”.